Quando a Sobrevivência da Empresa Familiar depende de os Proprietários seguirem o seu próprio caminho

Por:

,
Mesmo que você tenha que se separar no(s) negócio(s), você pode manter as relações familiares intactas através da preparação para tal.

Quando os proprietários de empresas familiares permitem que o conflito se agravem ao ponto de já não poderem tomar decisões importantes em conjunto, arriscam-se a destruir o valor da sua empresa. Observamos que para certos clientes, apesar do seu empenho na empresa e do seu desejo de boa governança, o impacto de feridas do passado e de conflitos não resolvidos pode impedir os proprietários familiares de avançarem. Nesta altura, a difícil decisão de separar pode ser a escolha certa para todos – uma escolha que pode, em última análise, salvar as relações familiares e proteger o valor da empresa antes que ambas sejam irrevogavelmente destruídas.

Na nossa experiência, embora as discussões em torno da separação do grupo de propriedade possam ser dolorosas, elas podem ser tratadas de forma que minimizem o potencial de novos conflitos que possam surgir. Acordar sobre um processo justo de separação pode evitar uma rixa em grande escala que ameaça o valor de toda a empresa. Por exemplo, em alguns casos pode ser sensato que os conselheiros encorajem os seus clientes a iniciar um processo construtivo para dividir os bens da família, negociar a saída de um ou mais proprietários, ou vender o(s) negócio(s) e dividir os lucros.

No entanto, antes de uma família concordar com qualquer resultado que envolva separação, é importante estabelecer primeiro um processo transparente e justo para ajudar os proprietários a tomar decisões racionais numa situação emocional.

Aqui estão quatro sugestões chave para assegurar que o processo ocorra da forma mais suave possível:

1. Concordar com a definição de sucesso
Pedir aos proprietários que expressem os seus pontos de vista individuais sobre o que seria um resultado bem sucedido. Isto deve ser feito numa ou duas frases que incluam objetivos tanto práticos como emocionais, expressando o que cada um espera alcançar. Por exemplo, um proprietário de família com o qual trabalhamos, expressou desta forma os objetivos de separação: “Queremos separar o nosso negócio pela independência, liberdade de escolha, e preservação da família. Trabalharemos para assegurar que estamos alinhados no processo, procuramos um sentido de justiça e respeitamos os interesses individuais dos bens da família, mas reconhecemos que podemos não ser capazes de alcançar tudo”.

2. Alinhar as regras de conduta
As regras de conduta são importantes para ajudar a fomentar a confiança durante estas discussões. Vimos os seguintes exemplos funcionarem bem:

        • Fazer com que todos os proprietários (e/ou os seus representantes) se comprometam a trabalhar em conjunto e a participar ativamente em todas as reuniões. Todas as discussões relevantes devem acontecer com todos os presentes na sala. Se o grupo de proprietários for demasiado grande, considere ter representantes, mas certifique-se de que os representantes estão mantendo os demais proprietários alinhados e informados.
        • Assegurar que nenhum dos proprietários tome quaisquer ações unilaterais sem primeiro chegar a um consenso com o resto do grupo, por exemplo, evitar que um proprietário fale com um potencial comprador antes de o grupo ter decidido vender.
        • Manter a confidencialidade e concordar quais informações, se houverem, podem ser reveladas a não participantes, tais como cônjuges.
        • Envolver terceiros, por exemplo, advogados, avaliadores, empresas de M&A, apenas com o acordo de todos.
        • Definir uma cadência e um calendário que equilibre o desejo de avançar com a necessidade de trabalhar metodicamente através das complexas questões e emoções. Alguns proprietários podem tentar apressar o processo, enquanto outros podem estar relutantes em trabalhar mediantes às emoções da separação. Se os conselheiros se esforçarem demasiado, alguns proprietários podem reagir negativamente e tomar decisões precipitadas.

3. Definir o processo a ser seguido
É importante ter uma visão claramente definida e consensual para todo o processo desde o início, mesmo que o grupo ainda não tenha trabalhado em todas as etapas necessárias. Considerar a criação de grupos de trabalho menores para detalhar as fases de separação. Por exemplo, o que significa preparar a empresa para a venda? Pode significar a redução de investimentos, a redução de custos desnecessários, ou a entrada de um novo CEO com experiência na realização de processos de venda. Estabelecer pontos de controle regulares para atualizar todos sobre o progresso dos grupos de trabalho e confirmar os próximos passos. Certificar-se de que todos os prazos são claramente definidos e acordados coletivamente. Os prazos podem acalmar a ansiedade e trazer mais empenho para o processo

4. Contratar profissionais para representar todos os proprietários, não conselheiros individuais
Sugerir a contratação de consultores que representem todos os proprietários familiares e que sejam entendidos como imparciais. Por exemplo, poderia ser importante contratar um único consultor para a análise dos impactos fiscais da partida de um sócio, da separação dos bens ou da venda da empresa familiar.

Se os proprietários concordarem, sugerir que escolham de forma coletiva os critérios de seleção e um processo de contratação de consultores. Estas são perguntas importantes que devem ser respondidas antes da entrevista dos candidatos:

      • O consultor terá um ponto de contato primário entre o grupo de proprietários?
      • Que, por sua vez, se comunicará com o resto do grupo proprietário
      • As comunicações serão por e-mail com cópia para todos, ou algum outro método acordado?

Mais importante, certificar-se de que todos concordam em como o consultor irá trabalhar com o grupo de proprietários para fazer recomendações.

Próximos passos

Uma vez que os proprietários tenham acordado o processo para os parâmetros gerais da separação pendente, se comprometam em esboçar de forma escrita o acordado. Este esboço deve incluir o calendário da separação de bens. A venda ou divisão de bens da propriedade familiar é tipicamente faseada, pelo que os consultores devem assegurar que haja um plano para gestão destes bens ao longo de todo o processo.

E se eles não conseguirem chegar a um acordo sobre como se separar?

Em alguns casos, continuar juntos como uma equipe proprietária pode ser prejudicial ao valor atual e futuro da empresa, e ainda assim ninguém quer vender as suas ações. Por vezes, a família pode não conseguir chegar a um consenso sobre uma divisão justa dos bens. Quando ocorrem impasses, há várias abordagens que podem ajudar a evitar uma longa batalha jurídica. Alguns podem ser pouco ortodoxos, mas podem ser eficazes para ajudar as famílias a chegar a um acordo:

      1. Sorteio para quem recebe o negócio e quem deve vender a sua parte, a partir de premissas pré-estabelecidas, tais como avaliação, forma de pagamento, etc.
      2. Utilizar o processo de “shotgun”: um lado faz uma oferta, e o outro lado tem que comprar ou vender com base nesta oferta.
      3. Todos os lados fazem uma oferta “selada ” ao mesmo tempo, e a melhor oferta é a vencedora.
      4. Um mediador propõe como dividir, e cada lado escolhe a sua opção preferida – se todos quiserem a mesma “divisão”, o mediador ajusta e tenta novamente.

Quando a sobrevivência da família e da empresa familiar depende de cada proprietário seguir o seu próprio caminho, é do interesse de todos trabalhar arduamente num processo justo de separação. Este processo justo pode ser a melhor oportunidade para não destruir o que resta dos bens da família. E a família pode terminar esse processo com respeito mútuo, em vez de ressentimentos.

Originalmente publicado no FFI Practitioner, 25 de Janeiro de 2023.

Compartilhe:

Outros Conteúdos que Você Pode Gostar: