Uma Cultura de Continuidade é a Chave para a Longevidade das Empresas Familiares

Por:

,
O que faz com que as empresas familiares tenham sucesso ao longo das gerações? Uma cultura que permite a evolução do negócio, dos proprietários e da família.

As empresas familiares podem representar tanto a melhor como a pior forma de capitalismo. Vimos famílias construírem e alimentarem empresas que investem no longo prazo, nas suas comunidades e no trabalho e crescimento em conjunto como famílias. Mas também já vimos o outro lado: no seu pior, as empresas familiares podem gerar conflitos que destroem a sua riqueza, dezenas de empregos e as suas relações familiares no processo. O que separa o melhor do pior?

Muitas empresas familiares procuram uma “bala de prata” ou a melhor prática para criar uma empresa saudável e duradoura ao longo de gerações – talvez a estrutura de governança correta, ou uma constituição familiar ou uma estrutura de confiança que, de alguma forma, oriente as sucessivas gerações. Estas coisas podem ajudar, claro, mas não são o segredo para criar um negócio familiar duradouro. O que torna as empresas familiares bem sucedidas através das gerações é outra coisa: uma cultura que permite ao negócio, aos proprietários e à família como um todo evoluir e crescerem juntos ao longo do tempo. Vamos chamar isto de uma “cultura de continuidade”, e ela é construída através de três traços comuns que temos visto nas empresas familiares que perduram.

1. Curiosidade: São liderados por aqueles que buscam aprendizados contínuos. Estes líderes fazem grandes perguntas em vez de assumirem que têm todas as respostas. Estão sempre explorando o que os outros estão fazendo e à procura de novas ideias, comportamentos e abordagens.

2. Trabalho em equipe: Abraçam o fato de que manter o seu negócio familiar funcionando bem requer um esforço sustentado, em conjunto. Compreendem que uma empresa familiar exige colaboração para além da excelência individual, uma vez que praticamente todas as decisões importantes requerem alinhamento. Fazem escolhas difíceis e compromissos mesmo com interesses inevitavelmente concorrentes.

3. Adaptabilidade: Aceitam os desafios que se lhes são apresentados, e estão abertos à mudança para os enfrentar. Reconhecem que só porque algo tem funcionado brilhantemente bem até agora não garante que irá funcionar no futuro.

Tal cultura não é construída da noite para o dia e pode ser um desafio mantê-la, mas o compromisso com a curiosidade, trabalho em equipe e adaptabilidade ajuda claramente as famílias a prosperar ao longo do tempo. Temos visto estas características expressas em empresas familiares de diferentes dimensões, indústrias e locais em todo o mundo que têm conseguido resistir não apenas durante décadas, mas ao longo de gerações. Aqui estão algumas sugestões sobre como desenvolver estas características e tomar medidas para fomentar a sua própria cultura de continuidade.

Curiosidade

Muitas empresas familiares premiam a sua história e o seu legado. Há muito enfoque sobre de onde vieram e o que alcançaram. Mas isso pode significar, por sua vez, que eles se tornam demasiado insulares. As famílias de maior sucesso com que trabalhamos compreendem que têm muito a aprender com os outros: os seus pares da indústria, outras empresas familiares em diferentes indústrias e mesmo as gerações em ascensão. As grandes empresas familiares são lideradas por aqueles que buscam o aprendizado contínuo. Muitas famílias com quem trabalhamos fizeram questão de buscarem aprendizados contínuos sobre uma grande variedade de tópicos, tais como trazer cônjuges e membros da próxima geração para o conselho, implementar as melhores práticas para iniciar e gerir um conselho familiar e desenvolver políticas de emprego familiar. Participam em conferências, constroem as suas redes e organizam conversas entre pares com outras empresas familiares de sucesso.

Eles utilizam essas conversas não para encontrar as respostas, mas para os ajudar a fazer melhores perguntas. Como nos disse um patriarca de 72 anos de idade de uma empresa familiar: “Nas nossas discussões com outras grandes empresas familiares, nunca encontramos a ‘resposta’ completa em uma conversa. Pelo contrário, encontramos abordagens e práticas específicas que nos levam a questionar como e porquê fazemos as coisas. As conversas nos abrem a mente para a mudança. Encontramos as nossas novas abordagens ao juntarmos as conversas num pacote que funciona para nós”.

As famílias que são bem sucedidas geração após geração gastam tempo em promover um sentimento de curiosidade. O líder de uma empresa familiar na terceira geração com quem trabalhamos fez questão de almoçar semanalmente com os seus filhos, com o intuito de responder a quaisquer perguntas que eles tivessem sobre o negócio. Ele próprio sempre foi inerentemente curioso – estava constantemente à procura de melhores formas de resolver problemas para os clientes e, como resultado, o negócio tinha crescido substancialmente com o tempo. Mas ele não tinha a certeza se os seus filhos, naquele momento, na casa dos 20 anos, estavam totalmente envolvidos, assim os almoços eram uma forma de despertar essa curiosidade.

O tempo que ele dedicou aos seus filhos valeu a pena. Ele soube que os filhos estavam engajados, disse-nos ele, quando começaram a fazer perguntas difíceis ao almoço. “Nem sempre foram perguntas fáceis de responder”, relatou ele, “mas eram as perguntas certas a fazer. Era então que eu sabia que trazê-las para o negócio ia funcionar”.

Trabalho em equipe

O negócio familiar é um esporte coletivo. Ganham juntos – mas também podem perder juntos. Como um dos nossos clientes nos disse: “A única coisa que pode destruir este negócio familiar somos nós”. Há trabalho em cada canto de uma empresa familiar: trabalho para gerir a empresa, trabalho para manter a família ligada, trabalho para manter a harmonia na família e assim por diante. Uma parte da “obra” é raramente realçada, mas essencial para a longevidade: o trabalho sobre a propriedade. É, de certa forma, o trabalho mais difícil de fazer. Requer um compromisso contínuo de trabalhar através de problemas, acordar objetivos mútuos, encontrar um caminho para o alinhamento entre os proprietários – e não se levantar da mesa até que se tenha feito progresso. O trabalho de propriedade implica tomar boas decisões, em conjunto, ao longo do tempo.

Conhecemos um grupo de proprietários de terceira geração que, durante um período de quatro anos, empreenderam uma construção completa da abordagem da propriedade de sua geração. Especificamente, trabalharam para compreender a sua atual e complexa estrutura de propriedade, elaboraram e obtiveram a aprovação de um novo acordo de accionistas, esclareceram como tomariam decisões em conjunto como futuros proprietários, trabalharam explicitamente na sua dinâmica de grupo, iniciaram um programa de desenvolvimento de propriedade para a sua próxima geração, criaram uma nova política de dividendos, elaboraram uma declaração de objetivos dos acionistas para orientar o seu conselho de administração, reformularam o seu conselho de administração para incluir os cônjuges e a sua próxima geração, e criaram um family office. O progresso exigiu a criação de mais de 10 grupos de trabalho para enfrentar questões específicas e desenvolvier um trabalho sobre alguns “esqueletos no armário da família” no que diz respeito a comportamentos deficientes. Membros da família que também tinham empregos “reais” o tempo inteiro, colocaram muitas centenas de horas nesse projeto.

Este trabalho desafiou-os intelectualmente. As estruturas jurídicas, a legislação fiscal e as políticas financeiras precisavam todas ser dominadas. O trabalho emocional, no entanto, foi mais difícil. As questões que abordaram em conjunto fizeram-nos enfrentar ressentimentos de longa data entre os primos, desigualdades na sua família, e mesmo a sua própria mortalidade e a dos seus pais. O seu sucesso em preparar o cenário para a prosperidade familiar dar próxima geração resultou em uma vontade de fazer o trabalho racional e emocional em conjunto. O seu empenho em investir o tempo necessário veio dos seus pais, que neles tinham incutido não só o amor pelo negócio mas também a compreensão do esforço necessário para o sustentar.

Como proprietários de empresas familiares, você pode contratar pessoas para lidar com muitos aspectos do seu negócio e da sua vida ao longo do tempo. Mas não se pode subcontratar a propriedade. E isso envolve um compromisso de trabalho árduo sustentado, com os seus sócios familiares. Não há nenhum substituto para isso.

Adaptabilidade

Mesmo nos negócios mais bem sucedidos, nada permanece estático ao longo do tempo. As empresas familiares, como todas as empresas, irão enfrentar rupturas de todo o tipo – para a empresa e para a família. Assim, as grandes empresas familiares incorporam uma expectativa de adaptabilidade na sua cultura.

Temos visto famílias trabalhando para que haja “rupturas” ativamente em seus próprios negócios. Eles antecipam e criam o seu próprio “concorrente” para os seus clientes, em vez de esperar que outras empresas façam isso. Esse é um dos benefícios da propriedade familiar; pode-se pensar em termos de anos ou mesmo de gerações em vez de trimestres, da forma como uma empresa pública tem de pensar. Uma família com quem trabalhamos desenvolveu o seu negócio através de gerações, desde a distribuição de carvão, à entrega de óleo de aquecimento, à exploração de postos de gasolina, ao comércio de barris de petróleo, à gestão de uma cadeia de lojas de conveniência e, mais recentemente, à gestão da sua carteira imobiliária. O objetivo é estar no negócio de maneira conjunta, não necessariamente num negócio em particular.

Esta adaptabilidade deve estender-se também para as questões de governança. Nada deve ser escrito em pedra para todas as gerações, porque a forma como uma geração de proprietários optou por governar os seus negócios pode não ser adequada para a geração seguinte. Uma grande empresa global com a qual trabalhamos, revê e redesenha ativamente o seu conselho a cada década para incorporar a próxima geração e a sua perspectiva única tanto sobre a família como sobre a empresa. Mesmo algo tão fundamental como a estrutura de propriedade deve ser revista periodicamente para garantir que ela se adapte às necessidades da próxima geração. Se, por exemplo, os proprietários são obrigados a trabalhar na empresa, mas a geração seguinte tem uma série de membros com fortes paixões profissionais fora da empresa familiar, deve a política de propriedade ser alterada para acomodar isso?

A mudança é extremamente difícil para uma geração que trabalhou, com grande sucesso, de uma forma particular. Aqueles que encorajam a adaptabilidade reconhecem que circunstâncias diferentes, por sua vez, requerem uma evolução na forma como a empresa familiar irá funcionar. Por exemplo, a geração sênior de uma empresa tem sido clara com a geração seguinte que não tem interesse em mudar a sua estrutura de governança enquanto todos eles estiverem vivos. Mas eles reconhecem que a próxima geração terá de fazer as coisas de forma diferente. Assim, a geração sênior abençoou a formação de um grupo de trabalho da próxima geração para que possam descobrir por si próprios como gostariam de estruturar a governança da empresa quando for a sua vez de liderar. É um compromisso de ambos os lados, mas que reconhece que cada geração deve construir estruturas e processos de governança e decisão em torno das suas próprias necessidades.

Encorajamos eles a fomentar estas características culturais – com as mudanças de comportamento necessárias. Recomendamos um par de ações a serem tomadas para cada traço cultural.

Aprendizagem Contínua:

    • Fale com outras empresas familiares e compartilhe o que aprender com outros membros da sua família.
    • Em discussões com a sua família, faça perguntas e explore opções em vez de dar respostas. Esta abordagem irá encorajar outros a pensar em vez de reagir.

Trabalho em equipe:

    • Considere explicitamente se a sua família está fazendo o trabalho necessário em matéria de propriedade: é necessário de atualizar o seu acordo de accionistas? Os seus objetivos como proprietários são explícitos? É claro quais as decisões que os proprietários querem tomar e quais as que estão dispostos a delegar?
    • À medida que surgem novas questões na sua empresa familiar, forme grupos de trabalho interprofissionais e intergeracionais para desenvolver opções.

Adaptabilidade:

    • Escreva e discuta os pressupostos que a sua família faz sobre o seu funcionamento e a sua transição.
    • Pergunte aos membros da próxima geração que mudanças tornariam o negócio familiar mais atrativo para eles.

Originalmente publicado na Revista Family Business, Janeiro/Fevereiro de 2021.

Resumo: O que faz com que as empresas familiares tenham sucesso ao longo das gerações? Uma cultura que permite que o negócio, os proprietários e a família como um todo evoluam e cresçam juntos ao longo do tempo. Uma empresa familiar duradoura que expressa e reforça o que a sua família mais valoriza, se estiver disposto a trabalhar nela.

Compartilhe:

Outros Conteúdos que Você Pode Gostar: